LOUVOR COMO ARMA DE VITÓRIA

louvor1
Tiago, irmão do Senhor, nos ensina a cantar louvores a Deus quando estamos alegres (Tg 5.13), e Davi, quando passou por um intenso sofrimento, assumiu o compromisso de bendizer a Deus em todo o tempo e de ter o seu louvor sempre nos seus lábios (Sl 34.1). O louvor é uma expressão de alegria, mas também pode coexistir com a dor e até mesmo ser temperado com as lágrimas. Jó disse que Deus inspira canções de louvor até mesmo nas noites escuras. O rei Josafá, quando estava encurralado por inimigos confederados, sentiu medo, pois não tinha força nem estratégia para enfrentar aquela grande multidão que vinha contra ele. Então, buscou ao Senhor e, Deus lhe ordenou a formar um coral, para marchar à frente do exército. Tendo o coral começado a cantar louvores a Deus, o Senhor pôs emboscada contra os inimigos, e eles foram desbaratados (2Cr 20.22). O louvor pode acontecer nos momentos mais escuros da vida, em At 16.25 Paulo e Silas estavam feridos, humilhados, injustiçados e acorrentados com cadeias num porão imundo, cercado de presos perigosos. O sangue escorria de suas chagas, enquanto seus pés estavam presos e acorrentados no tronco. Era meia-noite e a escuridão, como um manto de crepe, cobria aquele lúgubre lugar. A circunstância era medonha e o momento era de dor. Mas, Paulo e Silas em vez de se renderem à murmuração, abriram os lábios para orar e cantar louvores a Deus. O louvor é um ato de confiança em Deus, apesar da adversidade. O louvor não vem das circunstâncias, mas vem de Deus, que está no controle das circunstâncias. O louvor não vem de dentro, vem de cima. É Deus quem coloca em nossos lábios um hino de louvor, mesmo nas noites escuras. O louvor é um brado de triunfo. Ele não é apenas consequência da vitória, mas, sobretudo, consequência da vitória.
Hernandes Dias Lopes